Você tem Depedência Emocional Amorosa? Veja Aqui o Que Fazer!

Tempo de leitura: 7 minutos

Bom, neste artigo vamos falar um pouco sobre dependência emocional.

Talvez você se encontra nesta situação e nem saiba.

Imagina você  que é eficaz e bem-sucedida em seu trabalho.

Tem total independência financeira, autoridade sobre sua rotina e caso tenha filhos sobre a rotina deles.

Tem total autonomia sobre todos os aspectos de sua vida.

Entretanto, você está encarcerada em uma história de amor.

Você, talvez, seja incapaz de ser feliz sem a presença ou participação do seu parceiro.

Você nunca está feliz, sem ter ele por perto.

Isso gera muito desconforto e tristeza. E em alguns casos mais severos, depressão e outros transtornos mentais e psíquicos.

Você fica doida, no MAL sentido da palavra… perde a sua consciência de quem é você, perde seus instintos, sua feminilidade, sua sensualidade.

dependência amorosa

Fragilidade e Descontrole Das Emoções

Quando falamos em dependência emocional, pensamos em mulheres muito frágeis.

Isso não é verdade.

Muitas pessoas que são assoladas por esse mal, condicionam sua felicidade a existência do outro.

Mas são mulheres fortes e decididas em outras áreas.

Não há estereótipos e às vezes nem é perceptível.

Como Sei Se Sou Dependente

O primeiro sinal de dependência emocional é a sensação de não conseguir fazer absolutamente nada sozinha.

Tudo perde o viço.

Uma festa em que o outro não está, um passeio ao qual não foi, um filme que ele se recusou a ver.

Nada gera prazer, sem a presença ou aprovação do parceiro.

Vou te dizer uma coisa:

E tudo começa de maneira sutil, até você perder totalmente a capacidade de discernir do que você realmente gosta e o que faz apenas com a finalidade de agradar o seu parceiro.

Você quer a companhia dele a qualquer custo.

Dependência Emocional Por Herança

Outra fonte de subordinação emocional é aquela que já foi ensinada pela família.

Pais e parentes super protetores, tendem a gerar adultos absolutamente dependentes.

Aprenda que a liberdade é um exercício.

Pais que julgam os filhos incapazes de lidar com as tribulações da vida, ou frágeis demais para encarar desafios sozinhos, acabam lhes incutindo essa mensagem no subconsciente.

Desse jeito, eles criam adultos que se julgam incapazes de tomar decisões sozinhos.

Por isso se afeiçoam e se apegam ao primeiro que lhe dê algum apoio.

E às vezes, podem ter péssimas relações, com pessoas que não são legais, apenas pelo insuportável medo de ficar sozinho.

Baixo Autoestima

A mulher dependente emocional, mesmo que inconscientemente, coloca a sua preocupação no outro, por que não se julga digna de certos prazeres.

Ela não se julga digna de ser feliz. Não se sente merecedora da felicidade!

Talvez, você está nessa situação e não consiga ser feliz sem um parceiro ou se julga não merecer essa felicidade.

Outro traço de problemas com a autoestima é julgar-se incapaz mesmo.

Você pode se sentir inferior e ter medo de não ser aprovada.

Você pode não ter consciência do seu valor.

Nossa!

Isso é gravíssimo!

Muitas pessoas e até mesmo você pode já ter se sentido assim…

Incapaz até de tomar mínimas decisões como o que vestir ou para onde ir.

É Bom Estar Com Alguém Dependente?

Talvez.

Porque mesmo não falando abertamente, você pode pensar que sim – que é bom estar com uma pessoa com dependência emocional.

Afinal, nada melhor do que alguém que te coloque sempre em primeiro plano, preocupado com suas necessidades e não faça absolutamente nada sem sua aprovação ou consentimento.

Porém, não é só isso.

Quando se é um dependente emocional, não há apenas subordinação, mas também a necessidade de que a vida do outro gire em torno de seus cuidados.

Tudo o que o outro faz sozinho te incomoda, se ele se sente feliz com qualquer outra situação que não a envolva é doloroso pra você, então você cobra do seu parceiro severamente.

Carta De Alforria

1) Assuma

Entenda a situação e admita que precisa tomar algumas atitudes.

O primeiro passo para qualquer mudança de vida é a conscientização.

Faça a si mesma perguntas como:

– Do que EU realmente gosto?
– Quais escolhas EU fiz sozinha?
– Quantos amigos EU perdi depois de assumir essa relação?
– Por quê ME incomoda tanto o relacionamento dele com familiares e amigos?

Siga se questionando sobre atividades solo, do outro e suas.

2) Receba Seus Sentimentos

É um erro tentar represar o que sente.

Quando as pessoas querem resolver problemas emocionais, a primeira atitude é tentar controlar os sentimentos.

Não o faça.

É impossível controlar sentimentos e emoções!

Você pode controlar suas atitudes e comportamento, mas não o que sente.

Então quando uma sensação ruim lhe vier, apenas receba e compreenda.

Sinta cada emoção em profundidade. Viva essa emoção.

Você vai observar que a emoção ruim que você está sentindo, em um momento ela vai embora. Deixe ir. Deixe fluir a emoção ruim!

Está se sentindo rejeitada simplesmente por que o outro decidiu ir a um happy hour sem você?

Sinta a fúria, a rejeição e faça um exercício, vá até a frente do espelho e diga, ele está comigo porque decidiu isso.

Não está aqui obrigado.

Ele me escolheu, por meus próprios méritos e muitas qualidades que eu tenho.

E em pouco tempo voltará para mim.

Após isso procure se distrair com outras coisas.

Você vai descobrir que também pode ter ótimas sensações longe da presença dele.

3) Retome Ou Faça Amizades

Expanda seu círculo. Expanda mesmo.

Crie outras atividades, que não o inclua.

Aquela sensação horrorosa que poderia durar uma hora, pode ser facilmente trocada por um bate papo leve com amigos, colegas de trabalho e até parentes.

Procure se relacionar com outras pessoas.

4) Faça E Peça Menos Boletins

Descrever ou pedir o histórico de cada passo do outro é extremamente nocivo a qualquer relação.

Se você tem esse hábito, você é um dependente emocional.

Mas não precisa radicalizar, procure se livrar do vício aos poucos.

Tente por uma manhã.

Depois uma tarde e siga.

Isso vai inclusive movimentar sua relação, deixando seu parceiro mais leve, curioso, interessado e ansioso em lhe ver.

Não conte para seu parceiro toda a sua rotina e atividades do seu dia a dia.

Deixe seu parceiro curioso.

Saiba manter mistério!!!

Com certeza, descobrir os prazeres de estar sozinha em alguns momentos pode modificar positivamente toda a dinâmica da sua vida e da sua história de amor.

E nunca tente medir amor.

Cada um sente, vive e demonstra seus sentimentos de maneira distinta, diferente!

Não queira que o outro tenha a mesma percepção e atitudes de que você.

O amor saudável e longo é justamente aquele que respeita as diferenças.

Não questione os sentimentos do outro por você o tempo todo.

Deixe sua relação LEVE, prazerosa.

E você vai ver como ela vai durar!

Você merece sim ser feliz.

E é capaz de tomar suas próprias decisões.

Conseguir sua independência não vai fazer com que sinta menos necessidade em estar com quem ama.

Vai lhe ensinar a estar FELIZ, mesmo quando o seu parceiro estiver ausente.

Para fazer alguém feliz, antes de tudo é preciso estar feliz SOZINHA!

Deixe seu comentário abaixo. Me conte o que você achou deste artigo.

Eu recomendo que clique Aqui!

Abraços
Mislene Pires

Você Gostou? Por Favor Compartilhe!